Na 2a Conferência Internacional sobre Disfunções Sexuais, ocorrida em 2003, os especialistas recomendavam que a ejaculação precoce (EP) fosse diagnosticada por três critérios: latência ejaculatória breve, perda do controle sobre a ejaculação e desconforto
psicológico do paciente e/ou da parceira.1 Em 2005, na Conferência sobre EP promovida pela Sexual Medicine Society of North America, esses critérios diagnósticos foram confirmados, além da ênfase dada ao levantamento da história sexual do indivíduo.

Leia aqui: Atualidades em ejaculacao precoce – Heloisa Fleury