Sentimento pode afetar o relacionamento com familiares, amigos e colegas de trabalho, chegando a comprometer o ambiente no lar e o desempenho profissional

Em alguns momentos da vida, como em acontecimentos muito aguardados ou em obrigações sociais importantes, tendemos a nos sentir ansiosos ou em estado de tensão. Esta ansiedade leve pode nos ajudar a ficar alerta e focalizar nas circunstâncias que parecem ameaçadoras ou nos desafiam. Porém, um desconforto mais sério e por um período maior de tempo, comprometendo o cotidiano da pessoa, deve ser avaliado de forma mais detalhada e, em muitos casos, chegar à necessidade de um tratamento apropriado que auxilie a pessoa a manter uma vida normal.

Para a psicóloga Heloísa Fleury, esse desconforto maior pode se manifestar de diversas maneiras. “Medos e preocupações recorrentes relacionadas à saúde ou finanças, acompanhados de uma sensação de que algo ruim vai acontecer e podendo dificultar a concentração nas tarefas diárias é uma das formas mais comuns”, revela Heloísa.

De acordo a psicóloga, rotinas ou rituais persistentes, incontroláveis e não desejados que a pessoa desenvolva para tentar impedir ou se livrar de determinados pensamentos são sinais de que o sentimento de ansiedade pode estar em um estágio além do normal.

Na maioria das vezes, esses desconfortos podem ser tratados com sucesso por profissionais especializados. No entanto, esses tratamentos não apresentam resultado imediato, sendo importante a cooperação da pessoa. “O tratamento sempre deve ser adaptado às necessidades de cada pessoa e às dificuldades que está apresentando. Muitas vezes, indivíduos tendem a atribuir ao cansaço alguns indícios de que há um sofrimento que merece maior atenção”, alerta.

A psicóloga revela que existem alguns sinais que podem indicar depressão e justificam a busca de um diagnóstico profissional. Segundo Heloísa Fleury, a psicoterapia pode auxiliar na identificação dessas condições difíceis, encaminhando quando necessário para ajuda medicamentosa concomitante. “Mau humor na maior parte do dia, alteração no apetite ou mudanças de peso, alteração no sono, lentidão ou agitação psicomotora, perda de interesse por atividades anteriormente valorizadas, fadiga ou perda de energia, sentimentos de desvalia, culpa excessiva ou inapropriada, dificuldade de concentração ou de pensar com clareza fazem parte do rol de sintomas que prejudicam o bem estar da pessoa e dificultam o convívio, afastando-a, muitas vezes, da família, dos amigos e das tarefas a serem desempenhadas”, finaliza a profissional.